A coação dos EUA não é concorrente à solidariedade internacional dispensada por Cuba

 

Depois de décadas mencionadas historicamente em termos da Revolução Cubana e anti-imperialismo ideológico, a pandemia de coronavírus lançou Cuba na arena internacional e como um formidável oponente ao capitalismo. Enquanto os países ocidentais lutam para lidar com os sistemas de saúde cada vez mais fracassados, responsáveis ​​por uma alta taxa de mortalidade entre os pacientes com coronavírus, Cuba está administrando a situação em casa e mantendo seu alcance internacionalista. Não mais isolada, Cuba e seus médicos são muito procurados pelos mesmos governos que se interessam pela política externa dos EUA.

Por enquanto, no entanto, os EUA estão travando uma batalha perdida. Desde 2018, o governo Trump iniciou uma campanha de difamação contra o governo cubano, alegando exploração dos médicos revolucionários que oferecem seus serviços globalmente e em áreas remotas.

Incapaz de conter a crescente necessidade de médicos cubanos nos países ocidentais, os EUA retaliaram , impedindo que suprimentos médicos do exterior chegassem à ilha. Os equipamentos médicos e as necessidades enviadas pelo empresário chinês e fundador do site Alibaba foram embargados pelos EUA por meio da Lei Helms-Burton, que regula o bloqueio ilegal imposto a Cuba em retaliação por seu compromisso com a revolução. Os EUA também estão pressionando os países a rejeitarem a assistência médica que Cuba está oferecendo para combater a pandemia – uma chamada que está enfrentando uma crescente rejeição à medida que mais países buscam a experiência de médicos que estiveram à frente da solidariedade médica internacionalista em tempos de pandemias ou problemas naturais. desastres.

Até agora, mais de 45 países solicitaram o medicamento cubano Interferon, desenvolvido na década de 1980 para tratar infecções respiratórias, o que se mostra crucial no controle do vírus e, a longo prazo, impede sua propagação.

Os EUA, que influenciam a opinião global através do terror estatal e da intervenção estrangeira, não são mais um ponto de referência. Talvez essa forma de socialismo em ação tenha sido prevista na década de 1960, quando os EUA estavam financiando a influência da direita para impedir que a revolução cubana influenciasse a América Latina. Contudo, Cuba permaneceu apenas firme em seus valores e comprometida com os princípios delineados pelo líder revolucionário Fidel Castro. Liderando pelo exemplo, e não pela coerção, Cuba eclipsou os EUA no cenário mundial.

Até o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, cuja lealdade aos EUA é parte integrante de sua política e cuja atitude em relação à pandemia de coronavírus tem sido de desdém, solicitou o retorno dos médicos cubanos ao país meses depois de expulsá-los por suposta subversão.

Os líderes do golpe boliviano rejeitaram a assistência médica cubana, afirmando que tal acordo “zombaria dos médicos bolivianos”. A declaração foi rejeitada pelos médicos bolivianos que admitiram que o país carece dos recursos necessários para interromper a pandemia. Assim como a Venezuela, sob Hugo Chávez, Fidel e o ex-presidente boliviano Evo Morales assinaram acordos de cooperação médica em 2005, que incluíam 5.000 bolsas de estudo para formar médicos e especialistas.

No entanto, resta saber se os países que estão solicitando a ajuda de Cuba se unirão em solidariedade internacionalista com Cuba contra os EUA para o levantamento permanente do bloqueio ilegal. No momento, a comunidade internacional está enfrentando as consequências do capitalismo. No entanto, é possível que uma vez que a pandemia desapareça, os líderes mundiais recorram mais uma vez à busca da exploração econômica. Isso reescreveria a narrativa do que estamos experimentando atualmente, o que significa que politicamente, a elite global descartará a solidariedade internacionalista como ajuda humanitária. É uma tática degradante atualmente usada para impedir que os oprimidos obtenham seus direitos políticos.

Cuba está operando a partir de princípios políticos socialistas que provam ser a resposta para os males que Fidel advertia incessantemente. O mundo faria bem em lembrar isso.

Strategic-Culture.org


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=261943

Publicado por em Maio 1 2020. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS