OTAN apela aos aliados para enfrentar a ascensão da China – Uma tentativa desesperada de relevância global

 

À medida que a influência dos EUA e da Europa diminui diante de uma nova realidade geopolítica, sua descendência da Guerra Fria, a OTAN, procura se redefinir como ator global. O problema é que a OTAN não é capaz de entrar em campo.

Durante uma apresentação em vídeo desta semana patrocinada pelo Conselho do Atlântico e pelo Fundo Marshall Marshall dos Estados Unidos, o Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg disse a uma platéia atenta que, embora a aliança “não veja a China como o novo inimigo”, ela deve estar preparada para responder à crescente força militar e econômica do país. Ele destacou o aumento da cooperação da China com a Rússia como uma “consequência de segurança para os aliados da OTAN”.

Stoltenberg estava usando o tipo de linguagem que seus patrocinadores entendiam muito bem, defendendo uma ordem estabelecida do pós-guerra em vigor desde 1945, que a OTAN havia sido organizada para sustentar e defender. Durante décadas, essa ordem se baseava em parâmetros estabelecidos por uma realidade geopolítica definida por interesses socioeconômicos norte-americanos e europeus. A ameaça existia na forma de poder soviético e a necessidade de conter a mesma. Quando a União Soviética entrou em colapso em 1991, a aliança da OTAN continuou jogando o mesmo jogo, substituindo a ameaça soviética por uma nova ameaça russa.

O mundo, no entanto, seguiu em frente. Nas décadas de 70 e 80, a China emergiu de seu isolamento maoísta e, na década de 90, puxou centenas de milhões de pessoas das condições de pobreza para estilos de vida de classe média, no estilo ocidental, servindo a um motor econômico doméstico que ditava o ritmo e a escala do movimento. economia global diferente de qualquer outra. Na última década, o governo chinês implementou uma política de engajamento econômico global conhecida como Iniciativa do Cinturão e Rota, ou BRI. Por meio do BRI, a China estendeu seus tentáculos econômicos a todos os mercados do terceiro mundo, acessando recursos naturais e aumentando a demanda por produtos produzidos na China.

Nas regiões onde a BRI está ativa, a China faz as regras, construindo as instituições que estabelecem as normas e padrões que conduzem a vida cotidiana. Isso é feito com base em um modelo de negócios que não busca impor noções de liberdade e democracia no estilo ocidental e, como tal, representa uma grave ameaça aos interesses daqueles que usam “liberdade” e “democracia” como palavras de código para quantificar os interesses próprios da OTAN e seus membros coletivos.

A China usou o BRI para expandir sua influência para o sul da Ásia, Oriente Médio, África e, o mais preocupante para a aliança transatlântica, a própria Europa, com as relações do BRI já existentes na Grécia, Portugal e Itália e mais sendo negociadas com a França.

Com a expansão do alcance econômico da China, ocorre uma expansão semelhante na projeção de poder militar. A China construiu uma série de ilhas artificiais no Mar da China Meridional, que se transformou em postos militares que defendiam o chamado “traço das nove linhas”, uma linha de demarcação contestada usada pela China para afirmar suas reivindicações territoriais em águas reivindicadas da mesma forma pelo Vietnã, Filipinas, Malásia e outros.

O acúmulo militar da China é visto como uma ameaça às rotas de navegação estratégicas que conectam países do norte da Ásia, como Japão, Coréia do Sul e Taiwan, ao resto do mundo. Os Estados Unidos têm trabalhado com essas nações, bem como com outros aliados regionais, como Austrália e Nova Zelândia, para desafiar a posição da China no Mar da China Meridional, resultando em vários confrontos entre os militares chineses e os EUA nessa área.

É esse mesmo aumento das tensões militares que impulsiona o pivô de Stoltenberg no Pacífico. “A força militar é apenas parte da resposta”, observou Stoltenberg em sua apresentação. “Também precisamos usar a Otan mais politicamente”. 

Mas a OTAN, apesar das afirmações de Stoltenberg, não é uma aliança política, mas militar. O alcance político da aliança tem o objetivo exclusivo de expandi-la por meio de programas como as iniciativas de “parceria para a paz” iniciadas em 1994, ou projetar presença militar através do chamado Diálogo Mediterrâneo (para o norte da África) ou da Cooperação Istambul Iniciativa (para o Oriente Médio).

Além disso, a OTAN se transformou de uma aliança puramente defensiva para uma que travou uma guerra de agressão ofensiva contra a Sérvia na década de 1990, operações de construção de nações no Afeganistão na era pós-11 de setembro e um conflito de mudança de regime na Líbia em 1990. 2011. “Não se trata de uma presença global”, disse Stoltenberg sobre seu pivô no Pacífico  , mas de uma abordagem global”. Mas um leopardo não muda de posição, e a única presença que a OTAN conhece é militar, o que levanta a questão de por que a OTAN estaria tentando envolver a China no Pacífico.

A resposta está na subordinação quase total da OTAN aos interesses de segurança nacional dos EUA. As forças armadas dos EUA foram apanhadas pela China no Mar da China Meridional, sem resposta militar viável à projeção de energia regional da China.

Enquanto o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA está passando por grandes mudanças organizacionais para enfrentar melhor os desafios militares colocados pela China, essa transformação levará anos e requer o apoio de aliados regionais que foram queimados pelo governo Trump nos últimos anos.

O pivô de Stoltenberg no Pacífico é pouco mais do que uma operação de bandeira falsa que procura usar a bandeira da OTAN como um guarda-chuva para reunir parceiros regionais que, de outra forma, poderiam se opor a um relacionamento puramente bilateral com um aliado imprevisível dos EUA.

Mesmo aqui, no entanto, a fragilidade e a instabilidade política da aliança da OTAN minaram o pivô de Stoltenberg no Pacífico antes que ele pudesse sair da plataforma de lançamento. Ao mesmo tempo em que Stoltenberg discursava, o presidente Trump anunciava a retirada precipitada de cerca de 9.500 soldados dos EUA da Alemanha. Esta decisão, que parecia ter sido tomada sem consultar a OTAN ou os comandantes militares dos EUA, abalou totalmente a aliança.

Por enquanto, o pivô do Pacífico permanecerá nada além de um conceito vago, um esforço fracassado de última aliança de uma aliança defeituosa, desesperada por relevância em um mundo em mudança, mas sobrecarregada por suas próprias falhas sistêmicas.

*

Scott Ritter é um ex-oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA. Ele serviu na União Soviética como inspetor que implementava o Tratado INF, na equipe do general Schwarzkopf durante a Guerra do Golfo e de 1991 a 1998 como inspetor de armas da ONU. Siga-o no Twitter  @RealScottRitter

A imagem em destaque é da InfoBrics

A chamada “ameaça da China”: a OTAN e a “nova guerra fria” dos EUA na China

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=262121

Publicado por em jun 15 2020. Arquivado em 4. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS