Cuba denuncia que EUA mobilizam tropas para ‘aventura militar’ na Venezuela

O governo cubano emitiu nesta quarta-feira (13) declaração oficial em que denuncia a escalada de pressões e ações do governo dos Estados Unidos para preparar uma aventura militar disfarçada de “intervenção humanitária” na Venezuela. O documento do governo cubano narra que “entre 6 e 10 de fevereiro de 2019, foram realizados voos de aviões de transporte militar para o Aeroporto Rafael Miranda de Porto Rico, a Base Aérea de San Isidro, na República Dominicana e para outras ilhas do Caribe estrategicamente localizadas, seguramente sem o conhecimento dos governos desses países, que se originaram em instalações militares estadunidenses a partir das quais operam unidades de Forças de Operações Especiais e da Infantaria de Marinha que são utilizadas para ações secretas, inclusive contra líderes de outros países”.

O documento do governo cubano prossegue dizendo que “meios políticos e de imprensa, inclusive norte-americanos, revelaram que figuras extremistas do governo estadunidense, com uma larga trajetória de ações e calúnias voltadas para provocar ou estimular guerras, como o Assessor de Segurança Nacional John Bolton, o Diretor do Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional, Maurício Claver-Carone, com a participação do senador da Flórida, Marco Rubio, projetaram o financiamento e a organização direta e detalhadamente, desde Washington, do intento de golpe de Estado na Venezuela mediante a ilegal autoproclamação de um presidente”.

Cuba chama a atenção para o fato de que essas mesmas autoridades estadunidenses realizam “pressões brutais” contra numerosos governos para forçar seu apoio à convocação de novas eleições presidenciais na Venezuela.

A nota do governo cubano prossegue afirmando que os EUA “pretendem fabricar um pretexto humanitário para iniciar uma agressão militar contra a Venezuela”.

A nota acentua que hoje se decide na Venezuela a soberania e a dignidade da América Latina e também a sobrevivência das normas do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas. “Decide-se se a legitimidade de um governo emana da vontade expressa e soberana de seu povo ou do reconhecimento de potências estrangeiras”.

O governo cubano, aliado do presidente Nicolás Maduro, faz um apelo à comunidade internacional a que se mobilize para impedir que a agressão se concretize.

Gramma


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259789

Publicado por em fev 14 2019. Arquivado em 1. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS